terça-feira, 11 de outubro de 2011

Chocámos, tu e eu.

Conheço todas as fases do processo. Esta, a que me assombra agora, chama-se ressaca. A casa fala-me de ti e finjo não ouvi-la mas a verdade é que me mói tanto que se instala uma dor de cabeça e não há medicação que me valha. Porque a dor não é na cabeça, no fundo. A dor é generalizada e parte do músculo dos sentimentos, que bombeia sangue porque tem de ser, não porque me apeteça muito andar por aí cheia de energia. Esta etapa é de ressaca porque consigo ouvir o teu riso na cozinha, apesar de ter o rádio bem alto enquanto invento qualquer coisa para jantar. Cruzo a porta da sala e vejo-te no sofá, de sorriso no rosto e a ressaca instala-se, de armas e bagagens. O corpo enche-se de tremores quando me sento neste vazio e fixo a parede que me enjoa, de tão branca que é. Uma náusea invade-me e entro em espiral, sem querer. Porque aqui não há quereres, sabias? Pouco mando nisto que um dia me deram como corpo. Vai respirando, alimentando-se, porque tem de ser, como o coração que insiste em bater. Não é um discurso derrotista, calma. É só uma fase, como todas as outras que sei que se seguem. E se beber litros de água costuma ajudar, nas verdadeiras ressacas depois de noites bem regadas, talvez aqui também funcione. Talvez a água me inunde e lave esta latência, este querer-não-querer que me assola porque estás inevitavelmente ausente. E agora, que falei de água, mais uma lembrança de ti me atormenta porque tudo em ti sabia a mar. A noites de Verão e a maresia.

3 comentários:

qel disse...

gostei muito da associação que fizeste na última frase. sempre que vou aqui digo isto: recolhe esses textinhos todos e manda para uma editora, por favor! espero que acordes rapidamente dessa letargia.. ♥

Clarinha* disse...

pára de escrever estas coisas.. fogo.. até parece q sabes o que tambem eu sinto. pára de descrever tao bem estas coisas q mexem, q revolvem, que nos obrigam a ter uma atitude reactiva.. tás cada vez melhor!*

Laura Ferreira disse...

Quando aqui venho fico arrepiada. Obrigada.