sábado, 3 de abril de 2010


Os meus dias têm sido um corropio. Tenho andado de um lado para o outro, de sorriso no coração e alma aos pulos, esquecendo o tempo em que fui robot, mecanizada em rotinas que tomei como minhas mas que em lado algum tinham gravado o meu nome. E a agitação exterior é igualmente vivida interiormente, num silêncio de satisfação e doação. Tem-me apetecido estar, só por estar. Ficar num olhar amoroso, deixar-me moldar, sem nunca compreender porque a compreensão do Amor é sobrevalorizada.


Prometo que não tarda volto aos textos. Prometo.

1 comentário:

disse...

metáforas fantásticas.