segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Trópico de Capricórnio.


Quando tudo começou, ele tinha o cabelo curto. Tão curto que dificilmente ela lhe adivinhava a cor e o tacto por entre os dedos. Quando tudo começou ela usava trança. Tinha cabelos longos, caídos sobre os ombros numa cascata morena, de cheiro a fruta doce. Entrançava o cabelo com a rotina com que se veste a roupa de Domingo e ele queria-a mais, sempre que a descobria no mar triunfante de cabelos soltos, adormecidos na fronha clara da almofada. A sua pele, em tom de casca de ovo de galinha de campo, emergia na brancura dos lençóis, delicadamente pontilhada como um napperon de renda de bilros. O cabelo dele, curto, tão curto como a barba escabrosa, lembrava-lhe o campo depois da ceifa, repleto de restolho que habilidosamente se queima para que tudo possa renascer. Lia-lhe nos olhos a ânsia de aventuras escritas no firmamento e sabia-se ressurgida, a cada beijar morno com que lhe invadia as omoplatas nuas, e a imensidão marítima de mistura tropical em que se envolviam, desde que tudo começara.

10 comentários:

Anónimo disse...

adivinho-te os sinais...

Ana disse...

E eu não adivinho a origem de comentário anónimos portanto, se não for pedir muito, assinem. ;)

mariana disse...

Apetece-me bater-te. com um texto destes. Desculpa-me.


Já agora prazer em conhecer (:

fica*

Margarida disse...

que a fronha continue clara com os cabelos dela adormecidos em cima. e que um dia esses cabelos sejam nossos, não é verdade?

*Ariel* disse...

Que beleza, fiquei rendida às palavras, às cores...a fotografia está lindíssima também.

Beijinho*

filipa disse...

a maneira como descreves tudo é fantástica!

lígia disse...

pois é.
é mesmo bom! :)

Joana Almeida disse...

Ainda sinto 'a cor da tua alegria, o cheiro da tua trança'! ;)

D. R. disse...

Lindo texto.
Continua :)

Beijinho*

O canhoto disse...

Este texto está qualquer coisa de fantástico! =)