domingo, 31 de outubro de 2010

E se?


E se eu puder amar-te para sempre? Há uma resposta racional para isto, fruto da irracionalidade metafórica em que te interpelo? É que eu posso mesmo amar-te para sempre. Com maiúsculas, minúsculas, a preto e branco, a cores, sem som mas nunca sem cheiro. É fácil amar-te para sempre. Ou talvez seja apenas fácil para mim, transbordante de coração como um dia me criaram. Talvez a resposta esteja naquele canto da alma onde sempre nos encontramos. Sabes ao que me refiro? Há uma delimitação geográfica, no enorme mapa-mundo do nosso ser, onde nos reconhecemos, como reflexo no espelho. Aí torna-se ainda mais simples. As minhas mãos são as tuas, os meus beijos são os nossos. E o teu respirar coordena a batida deste músculo teimoso e acredito, ingenuamente, que é mesmo possível querer-te (tanto), para sempre.

4 comentários:

Margarida disse...

eu também acho que seja fácil. porque é que há tanta gente a rir-se do amor para sempre?

Ana disse...

Porque teimam em ensinar-nos que esse amor não existe, Margarida.

Sabor Adocicado* disse...

eu também acredito que se pode amar uma pessoa para sempre (:

mas, sinceramente, acho que é mais frequente em casos de amor não correspondido.. porque por vezes quando as coisas se concretizam e temos uma relação séria com a pessoa.. pode sair alguém desiludido. Mesmo assim, se amarem os dois verdadeiramente e se esforçarem por fazer a relação resultar,as dificuldades ultrapassam-se

P! disse...

eu cá também te amo/quero para semp :$