quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Curtas. #8


" - Ana, grande parte dos homens só deixa uma namorada se já tiver outra mulher por quem trocá-la. "


E eu, boquiaberta, perante tal afirmação. Dois segundos bastaram para compreender que talvez ele tivesse toda a razão. Bastaram outros dois para me sentir uma sortuda porque, até agora, a minha vida não abarcou homens assim.

A conversa continuou e a cada frase eu abria os olhos de espanto, como quem quer ouvir melhor. É mesmo inconcebível para certas pessoas estar sozinho. Não faz mesmo sentido algum não ter alguém (nem que sejam casos de uma noite) para certas pessoas. Pelo apoio, dizia-me ele. Pelo conforto, pelo ego que se preenche ao te sentires desejado por alguém. E eu acenava afirmativamente porque ter alguém passa por isto, sendo para mim muito mais que todos estes simples subterfúgios. Mas como é que se tem alguém, como é que se cativa alguém, quando não se está bem na própria pele? Se eu não gostar de mim o suficiente para apreciar a minha companhia, como é que posso esperar isso de outro?

Foi um dia que me deu um grande nó na cabeça porque há pensamentos que não cabem no meu mundo e, na mesma medida, desatou-me um nó no coração por compreender que as minhas escolhas foram sempre certas, à minha maneira.

2 comentários:

m.sunshine disse...

somos duas então.
um dos grandes amores que podemos viver é por nós próprios.
e tenho dito!

qel disse...

grande crónica. esses homens sao simplesmente.. cobardes. tenho-o dito. *