segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Constatação (pós-S.Mateus) #4:


Que o recinto é local de engate, todos sabemos. Mesmo para quem não vai lá com esse intuito. E depois de copos bem cheios de variadíssimos conteúdos não era, de todo, o meu intuito. O que eu queria estava ali. Os meus, as minhas, boa música e a confusão daquela festa tão nossa. O menino de Marte cantou-me a Selfish Love de joelhos e jurou-me amor eterno enquanto eu continha o riso e começávamos uma conversa a que se juntaram várias imperiais. Ainda encontrei muitos que não esperava, recebi abraços e beijos, cumplicidades de outros anos e tive conversas longas, com muita gargalhada pelo meio. Mas, meus queridos penetras, há coisas que não se perguntam. Principalmente quando é o teu amigo de 1,90m que me está a fazer olhinhos, enquanto me fala em francês. Sobretudo quando eu afirmo Homem que é homem dança a "YMCA" sem problemas e o dito cujo vai e fica-me em tronco nú. Não, depois disso não podias mesmo ter feito tal pergunta, mesmo não me conhecendo de lado nenhum. Não se pergunta. Ou se faz ou não se faz, duh.