terça-feira, 21 de outubro de 2008

Apeteceu-me escrever-te. Porque sim. Há muito tempo que me faltam as palavras para te contar cada bocadinho de mim que vive em nós. Já tive medos (tantos, tantos medos...) e já tive certezas. E mesmo quando os medos me abalaram até à raíz da alma, o coração continuou a contar histórias de princesas e a acreditar em ti, enquanto eu pintava quadros negros. Sempre vivi para ser feliz, sabias? Apesar dos quadros negros, das pontas dos dedos ensopadas em tristeza, nunca me deixei afogar. Havia sempre um brilho no canto do olho que me chamava para o lado de lá da vida, onde tudo parecia certo, como quando se tem cinco anos e o mundo gira à nossa volta e tudo é bom. Volta e meia apetece-me voltar a ter cinco anos... Queres vir comigo? E sermos namorados de mãos dadas e sorrisos inocentes? Tenho a sensação que irias ter o mesmo olhar... Vejo em ti um menino pequeno, quando te tenho nos braços, no colo. Quando soluças de choro enquanto me contas aquilo que te inquieta e te impede de crescer. Quando encostas o nariz ao meu, ou a cabeça no meu ombro e me pedes para prometer impossíveis. És o meu menino pequeno, sabias? Deixa-me cuidar de ti e ser pequenina também, de vez em quando...


3 comentários:

A Túlipa disse...

E o melhor do mundo são mesmo as crianças... E o amor =)

'

Espírito disse...

A mesma Ana de sempre.
Esta lindo! :')

Um beijo*

Bruno disse...

Tu és uma GRANDE pequenina.. xD