sábado, 1 de março de 2008


Sentou-se na sala. Abriu o livro pela terceira ou quarta vez. Leu umas páginas e voltou a fechá-lo. No fundo sabia que não tinha paciência para se distrair com histórias que não eram a sua. Já tinha arrumado tudo o que havia desarrumado, já tinha rabiscado uns esboços do projecto que tinha em mãos, tinha conversado ao telefone, mandado sms's, escrito qualquer coisa sem nexo, fumado dois, três, quatro cigarros, mexido na carteira para tirar de lá dezenas de papéis que não precisava mas insistia em guardar... Tinha feito tarefas domésticas que detestava e tinha visto um DVD que tinha pendente há imenso tempo. Nada disto a tinha distraído. A verdade é que esperava que o telemóvel tocasse e fosse ele... Era ele que lhe ocupava cada pensamento do dia, mesmo quando ela decidia não pensar nele, não ter saudades de tudo o que ele representa(va). Olhasse para onde olhasse, fizesse o que fizesse, era ele que ali estava, apesar dos quilómetros que os separavam. Escondido em cada recanto da casa, em cada reflexo do sol a entrar pela janela, em cada cheiro por muito diferente que fosse. Era ele e as saudades que lhe apertavam o peito e o coração, como dedos que a impediam de respirar. Tinham conversado sobre isso e, mais do que conversar com ele, tinha conversado com o coração e tinham combinado aguentar aquilo, que sabiam como certo. O coração tinha-lhe jurado que sabia ser forte e agora fraquejava apesar de todas as certezas que lhe continuava a contar no silêncio de cada noite, na cama grande e vazia. Sentia que o amava, que era especial e único. Sabia que era por isso mesmo que ele lhe fazia tanta falta e o trazia tão presente na memória da alma e do corpo. E sabia que ia bastar um sorriso dos dele para que todo o aperto e qualquer réstia de saudade se esfumassem, como num passe de mágica.
P.S. - Não é autobiográfico, mas podia...

4 comentários:

Luis Oliveira disse...

Podia tao bem ter sido eu a escrveer isso...
Ta belissimo.

Acredita q nao passo menos tempo a tua espera, a espera do tremer do telefone e seres tu...

Aiiimmm....Percebes? :)

Tyler_____Durden disse...

"Oh gugaaaaaaaaaaaaaaaaaaa tenho saudades do meu babeeeeeeeeeeeeeeeeeeee" ,as vzes que eu ja ouvi essa frase eheheh! o amor é lindo...

Joana Almeida disse...

Ou então "Eu quero ir p elvaaaaaaasssssssssssssssss. Eu quero ver a minha criançaaaa!"

=)

Tyler_____Durden disse...

a ana tem coraçoes no humor aquoso!