terça-feira, 25 de agosto de 2009

Até já.


Se eu dedicar tempo a pensar em coisas importantes elas acabarão por fazer sentido. Caso o meu raciocínio seja lógico, obviamente. Mas não é. Temo que nunca tenha sido apesar da firmeza com que falo sobre alguns assuntos. Traço esse que muitas vezes anda de mãos dadas com a teimosia, e essa sim, sobra por estes lados. Por entre ideações pouco vulgares vou-me compreendendo, baralhando-me. E quanto menos sentido faço, mais me entendo. No limbo frágil de uma loucura saudável, como aprendi um dia a chamar-lhe. Once in a while, sento-me e deixo-me ficar. Como quando íamos até à Brasileira ver quem passava e imaginar, lembras-te? No fumo de mentol vivíamos vidas inteiras sem nos inquietarmos. Hoje já sei fazê-lo sozinha, ou acompanhada, tanto me faz. Viajar não sai caro porque nunca ninguém me cortou as asas da imaginação, mesmo quando a deixava em outras margens. E disso faço um brinquedo. Um jogo de contar, de perder, de rir e de sonhar. Prometo-te que um destes dias volto lá e encho o Camões de pequenas e grandes bolas de sabão reluzente, em tua memória.

5 comentários:

Rita disse...

=) ***

Adriana Pinto disse...

Perfeito.

Nuno, apenas Nuno. disse...

Que saudades Ana :)*

Margarida disse...

loucura saudável e viajar na imaginção, são as melhores coisas do mundo. porque pode ir tudo, ainda nos temos a nós e a isso : )

e obrigada pelas palavras. sim, ele mereceu o lugar. e a vida está em nós, como me disseste. e como disseste neste texto, neste até já a alguma bola de sabão reluzente : )

Nice disse...

Que VERDETE Ana!! :P