segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Jorge Palma * Estou agarrado a ti

Às vezes controlo o medo
Às vezes pareço mudo
Reconheço as palavras
Mas não ofereço a tudo

Quero o que tu queres
Reencontro-te em mim
Não é por nos desviarmos
Que evitaremos o nosso fim

Mando vir o futuro
E dispo-me à tua frente
Se vamos a algum lado
Vamos a um lado mais quente

Não tentes surpreender-me
Não tentes investigar
Não queiras modificar-me
E não me deixes asfixiar

Estou agarrado a ti!
Estou agarrado a ti!
Estou agarrado a ti!
Estou agarrado a ti!
(...)
Tenho saudades tuas
Sempre que não te vejo
Apeteces-me a sério
És dona do meu desejo

Não me estragues a alma
Não me mexas no fundo
Não dês cabo do plano
Que se estende ao meu mundo
(...)
Não me estragues a alma
Não me mexas no fundo
Não dês cabo do plano
Que sustenta ao meu mundo