segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Devaneio psicológico!


Hoje não há palavras bonitas nem terceiras pessoas. Hoje sou eu, simplesmente. Estive duas horas a ouvir falar sobre hipnose e sobre as aplicações que ela pode ter como terapia, na Psicologia. As técnicas, o que está por detrás dos resultados, as interpretações e os "enredos interiores" (chamemos-lhe assim) deixaram-me a pensar... Muitas vezes não vivemos a dor no seu pleno, com medo das marcas que isso possa deixar. Outras vezes hiperbolizamos a mesma e vivemos dores que nem são nossas. Nem uma nem outra. Nunca vivi assim, foi o que pensei. No primeiro caso acabamos por recalcar e vir a manifestar sequelas bem mais dolorosas, mais tarde. No segundo, criamos um mundo tão miserável e hediondo que tememos o que está fora dele. O que a mim me intrigou foi: será que tenho marcas dessas, das invisivéis? Será que vou explodir um dia destes? Eu sei que dói viver mas isso nunca me meteu medo, por saber que daí vem mudança e crescimento. E mesmo quando meteu medo... Eu fui. Não sei porquê, com que motivação... Mas fui. Sei que muitas vezes grito dentro da minha cabeça quando não me quero ouvir, por saber que vai doer. Sei que muitas vezes o subconsciente me trama e dói, custa. Mas também sei que consigo resolver tudo isso, de uma maneira ou de outra. Não serão sempre as melhores estratégias mas é o melhor que consigo... Os ecos fazem falta, mesmo quando achamos não estar a ouvir. Os ecos falam baixinho ao ouvido e magoam onde é necessário, porque da dor saimos mais fortes. Porque da dor aprendemos.
Uma das expressões que ouço muitas vezes é: "não és normal". Pois não, não sou. E quê?
Fui roubar a Mafalda aqui! :)

3 comentários:

nice disse...

Nem mais!!

Joana Almeida disse...

Adoro a tua perfeita (a)normalidade!

Se toda a gente fosse (a)normal cm tu...

Tyler_____Durden disse...

perfeita anormal!!!gosto tanto de ti,fdx!