domingo, 11 de março de 2007


Tenho as mãos vazias e, por uma vez, não me preocupo. Não te procuro em cada esquina da rua tentando encontrar o teu cheiro nos que passam. Esqueci-me desse cheiro, aquele que um dia achei que me tinha ficado colado na pele. Um dia, que já me parece estar tão longe, pensei que pudesses ser mais do que alguma vez tinha pedido. Via-te e colava em ti sonhos, pedaços de estrelas e de vida. Percebi mais tarde que implicavas um esforço que não era capaz de ter. Faltavam-me as forças, a solidão puxava-me com uma vontade vinda das profundezas do ser e não a pude combater. Não a quis combater. Quando tudo o que me rodeia pressupõe um esforço demasiado óbvio da minha parte,demasiado forçado... Não consigo. Gosto de caminhos dificéis que me desafiem. Gosto do desafio. Simplesmente não eras um desafio à minha altura. Ou talvez nem fosses um desafio. Simplesmente eras e eu não quis ser.

2 comentários:

Orlando Nascimento disse...

Quanta tristeza... Vamos lá puxar esse ânimo para cima!! Está aí a primavera, o sol, o calor, os dias maiores....
E vê lá o desafio que te lancei no GONIO :p
Bjo

Nuno disse...

Ana, que lindo. Dei por mim a ler-t e a sentir uma enorme empatia com cada pelavra, com cada emoção por ti transmitida. Sustive a respiração e deixei-me levar.
Às vezes depositamos demasiadas expectativas nas pessoas, queremos q tudo seja perfeito, mas há smp algo q n nos agrada.
A ilusão, por nós criada só condiciona o q no fundo queremos e esperamos dos outros, e por vezes, confunde-se com ingratidão. Mas n, a desilusão só surge por nossa própria culpa.
Nem smp o caminho mais fácil é o mais correcto. O facto d gostares d desafios faz d ti uma lutadora. Gosto d te ler qdo escreves na 1ª pessoa.
Lindoo
Existe uma frase lindíssima sobre a qual reflicto inúmeras vezes e julgo q ela diz mto:

"O amor é cheio de armadilhas. Quando se quer manifestar, mostra apenas a sua luz, e não nos permite ver as sombras que essa luz provoca"

bjo