quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

Coisas minhas...


Existe uma coisa muito bonita chamada gravidade. É aquilo que nos mantém com os pés firmes no chão e nos impede de andar por aí, esvoaçantes. Não sou a melhor pessoa para vos explicar o conceito de gravidade porque a física e eu não temos uma relação amistosa. Implica forças de atracção, de atrito e mais coisas que tal. Mas é uma coisa bonita, sim senhora.
Será que as palavras têm gravidade? E porque é que a nossa imaginação não tem gravidade? Ela flutua por onde lhe apetece, pelo menos a minha. Vai, vem... Pinta cenários idílicos, destrói o que lhe apetece e constrói ainda mais... É outra coisa bonita, a imaginação.
A gravidade das palavras. A gravidade das mesmas enquanto poder de "ter os pés assentes no chão" (as palavras têm pés?!). Há palavras que não têm gravidade. Que, como a imaginação, passeiam por onde a boca as leva, escorrem, dilatam, enaltecem, morrem. Até as palavras mais graves, podem ser leves. É aí que a gravidade "quantitativa" se mistura com a outra gravidade, a dos "pés assentes". A boca, as cordas vocais, a garganta tomam lugar de destaque (sem nunca esquecer o cérebro) e moldam as palavras. Colocam-lhe os pés no chão ou deixam-nas pairar livres, mesmo que sejam as palavras mais graves, mais perigosas, mais dolorosas alguma vez ditas. O portador dessas palavras é o culpado. Ou melhor, os culpados são os ouvidos. Porque ouvimos o que gostamos, da maneira que nos dói menos escutar. Transformamos palavras graves em penas flutuantes e palavras dolorosas em pedaços de mel. Somos os dois culpados. Quem diz e quem escuta. As palavras são uma coisa menos bonita que a gravidade, que diz que nos mantém os pés na Terra.

4 comentários:

Pin* disse...

esta mulher sabe escrever, sabe!
a gravidade e as palavras... ai as palavras... há palavras que assustadoramente nos colocam os pés na terra e há aqueles que nos fazem.
tu consegues ter, muitas vezes, aquela palavra que eu preciso!
te gosto!*

Pin* disse...

completando o que escrevi..
e há aquelas que nos fazem sonhar. assim é kié
(esta cabeça anda a mil, hehe)*

MS disse...

Já o disse, isto está brilhante. Adorei mesmo. Até nem sei dizer porquê, mas está tão bem escrito que enfim...lá fiquei foi sem gravidade..xD.

Escreves muito é o que é...e vês o mundo de forma diferente e é por isso que gosto de ti. E não só vah mas pronto..xD.


beijinhooo***

Orlando Nascimento disse...

Que texto tão leve, solto. E, ao mesmo tempo, profundo, com tanta coisa lá dentro! Quase que me apetece copiá-lo no meu blogue... ou apenas citá-lo. Muito bem, poetisa da prosa :)